terça-feira, março 31, 2015

Não sei quem inventou isto... mas fez-me rir. (estava a precisar)

Palavras

as palavras que mais me ocorrem são amor e dor. constantes dos últimos dias. a ver se a parte física melhora, já dava jeito.

sexta-feira, março 27, 2015

Pessoas acontecimento



Há pessoas que se encontram e há pessoas que acontecem. Uma pessoa acontecimento altera as leis da física, do espaço e do tempo. O mundo sobra, o tempo dobra e o corpo abre-se até ao átomo. O universo torna-se amplo e pequeno. As emoções misturam-se na matéria fundamental da existência. Plutão fica mesmo aqui ao lado, sem esforço. É amor é metafísico e tu... tu és tão bonito para mim. 

insónia

Dor, dor e mais dor. Fod***

quarta-feira, março 25, 2015

ser operado sucks big time!

Diz que correu bem. Mas estou moído.  Como se tivesse sido mastigado.

segunda-feira, março 23, 2015

Thelma & Louise um short movie?


Roupa interior de peso...


E o dia está ao virar da esquina

Como é natural estou um bocadinho tenso. Amanhã é o dia da operação e a coluna não é exactamente um cotovelo. De qualquer das formas sinto-me feliz por ver a família mobilizada. E acho que vou ser muito bem tratado. A minha mãe surpreende-me mais uma vez e ultrapassa-se a si mesma. Sempre disse que o único limite que tinha relativamente à homossexualidade do filho era vê-lo ir deitar-se à noite com outro homem no quarto e beijos na boca. Pois o namorado vai estar a dormir na casa do filho com ele e ela está confortável com isso e já a pensar no que é que vai fazer para o jantar de todos. O medo que tem de gatos, agora mesmo não é importante para ela (espero que o Limão seja fofinho com a "avó" e não lhe salte para as costas como agora tem a mania de fazer). O meu irmão também já se organizou para ir trabalhar para a minha casa nos dias em que a mãe tem coisas para fazer e o namorado está no trabalho. Tenho uma família muito pequena, mas muito grande em afecto. Suponho que o amor vai ser o melhor analgésico. 

sexta-feira, março 20, 2015

Medos... (ausência de)


Será que o cheiro muda?

Quando assumimos um compromisso sério, de repente, começam os mortos a desenterrar-se por todo o lado e a voltar à vida. Será que o nosso cheiro muda? Deve haver alguma coisa no ar...

quinta-feira, março 19, 2015

Darth Vader confuso...


As coisas grandes e as coisas pequenas

Para quem pensava que este era um post sobre pilas pode já ficar "desenganado". É antes um post sobre cedências. Eu odeio tabaco. O meu pai morreu derivado ao estado em que anos e anos de tabaco lhe deixaram o corpo. Tenho uma raiva especial pelo tabaco e por pessoas que invadem o meu espaço pessoal com o fumo sem autorização. Por exemplo, as pessoas que acendem cigarros logo na saída do metro e que não compreendem que a deslocação de ar faz levar quem vem atrás com fumo na cara. Se eu não os incomodo quando respiro, também não me podem incomodar a mim. Na minha última relação o tabaco foi um foco de tensão. Na presente poderia ser, mas não está a ser. Sinto que recebo tanto, que o tabaco acaba por não me incomodar. A minha única preocupação é que ele fume dentro dos limites que uma vida saudável (alimentação e desporto) possam compensar. Como ele me disse «eu gosto mesmo de fumar, tenho um prazer enorme». E fuma mesmo por prazer, saboreia o cigarro de tal forma que não precisa de entupir-se com uns atrás dos outros, em que o fumar já é mais um acto mecânico/nervoso que outra coisa. 

O cerne da questão é que ele tem acrescentado tanto à minha vida que não quero retirar-lhe esse prazer. Inclusive posso beijá-lo a seguir a ter fumado sem que isso me incomode. Quando alguém nos dá tanto queremos retribuir, na escala dos incómodos, uma coisa grande em importância pode tornar-se pequena em importância. A reciprocidade torna as coisas relativas. De repente penso que 4 cigarros por dia não são nada. 

terça-feira, março 17, 2015

Robinson Crusoe (18+)


Limão pensativo...



Nãoooooooooooooooo...

Estava eu ontem na praia da Falésia a curtir um solzinho bom, porque tive de voltar a Lisboa com esta chuva?

sexta-feira, março 13, 2015

Princess Rap Battles: Cinderella e Belle

CyGnO Awards

Sou oficialmente boring. Queria tanto contribuir com montes de nomes para as nomeações e vejo que não conheço assim tantos blogues na "blogaysfera" e que nem os que conheço consigo ler com regularidade. Até escrever aqui no Silvestre qualquer coisa de jeito é difícil. Só tenho tempo para coisas rápidas e vagas. Se fosse isto fosse transposto para o mundo do sexo, dir-se-ia que só tenho tempo para rapidinhas casuais. Mas vou fazer um esforço... (espero que se note).

O nosso cérebro...


Se o Mick Jagger pode...




Disse a Madonna em entrevista «se o Mick Jagger pode andar com miúdas de 25 anos sem que ninguém ache mal, porque não posso eu andar com rapazes de 25?». Na realidade o Mick jagger até vai fazer 72 anos e a Madonna apenas 57. Vivemos mesmo numa sociedade sexista em que as mulheres têm de calçar pantufas a seguir a uma certa idade. Não gosto nada disto.

O que mais me chateia é que são as mulheres que mais vêem isto como uma coisa péssima. Não me parece que haja um mínimo de solidariedade de género.

Girls unite! Vá lá...

Descoberta musical de sexta para entrar relaxado no fds...



Afro Blue - Robert Glasper ft. Erykah Badu and Phonte

quinta-feira, março 12, 2015

Pesadelo

Hoje tive um pesadelo. Sonhei que o meu irmão era assassinado por um primo nosso enquanto a sua missão espacial era televisionada. O meu tio e a minha avó já mortos também entravam neste sonho. Eu via o assassinato do meu irmão em directo. Acordei às 4:38 da manhã numa agonia tremenda, com vontade de telefonar ao meu irmão, que deveria ir no segundo sono. A nossa mente prega-nos com cada partida. O meu irmão astronauta? Pois...

quarta-feira, março 11, 2015

Terceira Revelação de Fátima


Atento


Não é assim tão mau

Depois da operação à coluna, creio que são dois meses de recuperação e de baixa. Assim sendo há que aproveitar para fazer uma quantidade de coisas que andam a marinar. Uma delas e a mais querida será certamente a revisão definitiva do livro que acabou de ser escrito em 2013 e que por esta ou aquela razão nunca foi revisto para poder tentar uma edição. Esperemos que nesta fase de repouso físico as dores sejam inexistentes e que a cabecinha esteja livre para voos interessantes. 

Finalmente

Meti as reviews aos filmes em dia ufaaaaaa...

Relatos Selvagens

Esta produção argentina foi do mais engraçado que vi nos últimos tempos. Quem gosta de histórias tipo Tarantino (apesar da estética ser diferente) vai estar super bem servido. A comédia está sempre presente apesar de algumas das histórias terem uma violência explícita, mas tal como no Kill Bill acabamos por não levar a sério tal é o divertimento. A primeira história e a última são verdadeiramente deliciosas, nunca mais ninguém vai olhar para um casamento da mesma maneira.

17/20

Kingsman: Serviços Secretos

Há aqueles dias em que nos apetece ir ver um filme em que não seja necessário usar mais que o neurónio de emergência. Na mesma medida, ter o Colin Firth como cartão de visita é sempre bom. O filme entretém que é aquilo a que se propõe, digamos que é um remix das histórias de espiões a la 007. As cenas de luta são efectivamente intensas e bem conseguidas com uma estética estilo Matrix. Diverti-me.

14/20

O meu nome é Alice

Achei este filme uma obra delicada que não caiu em estratégias de dramatismo fácil e para as massas. A interpretação de Julianne Moore foi magistral e cirúrgica. Contida e real. O filme tem momentos de normalidade que são assustadores porque coloca a história em qualquer contexto conhecido por nós. Inspirado numa história verídica não deixa de ser comovente ver um cérebro brilhante ser confrontado com a sua própria degeneração. Comovente, mas em bom. 

17/20

Ascenção de Júpiter

Pensei ao ver o trailer que este filme era uma espécie de «Guardiões da Galáxia», um filme série B bastante divertido e com acção para dar e vender. No fim de contas é uma grande produção de Hollywood com um argumento estéril e com cenas demasiado compridas que me provocaram sono. Foi um desperdício de meios.

11/20

O jogo da imitação

Fui ver este filme um pouco pelo horário. Não estava muito interessado e acabei por sair da sala emocionalmente tocado pela realidade de um homem extraordinário, com uma mente extraordinária, que não foi reconhecido como tal por ser homossexual num tempo em que estes eram condenados à castração química, uma vez que a homossexualidade era crime (como ainda o é em bastantes países não europeus). Graças a um invento seu, pouparam-se milhares (senão milhões) de vidas e ele foi reduzido ao papel de criminoso sexual acabando por se suicidar por não aguentar os efeitos da castração química no seu trabalho. O perdão a este homem chegou muito tarde, Alan Turing foi ilibado de ser criminoso apenas em 2013, mesmo depois de se ter conhecido o seu contributo para o fim da segunda guerra mundial no final dos anos 90.

17/20

Birdman

A sensação dos óscares deste ano não foi exactamente uma sensação para mim. Acho que tenho problemas com todos os filmes em que se misturam dimensões de sonho e realidade. Não é suficientemente sério para o levar como real e não é suficientemente surreal para o levar como um delírio. Gosto, todavia, das pequenas referências subliminares que aludem ao passado artístico dos actores. Penso que é aquele filme que não é indiferente ou tem impacto ou não tem. No meu caso não teve grande coisa de impacto.

13/20


Caminhos da Floresta

A abordagem é bastante divertida no cruzamento competente de histórias de encantar um pouco à semelhança da série «Once Upon A Time». A sempre estupenda Meryl Streep é o elemento de ligação entre as diferentes narrativas. O filme tem uma perspectiva interessante na questão da moralidade e dos bons costumes. No fundo, pretende dizer-nos que nem tudo é branco e não há personagens com apenas uma faceta. O final é, contudo, confuso, apressado e faz perder toda a energia e divertimento que o filme estava a proporcionar até aquele momento.

13/20

Mamã

Este filme canadiano não é bonito. Descreve-nos aquele tipo de realidades que existem, mas que preferimos fingir que não sabemos da sua existência. É um murro no estômago e faz-nos descer um bocadinho do nosso castelo altaneiro da moral social. Saí de sala de cinema mal disposto, meio nauseado, revoltado. A detestar todas aquelas personagens com o paternalismo típico de quem se arreda de situações feias e desagradáveis. O filme é mesmo bom.

17/20

O Hobbit: A Batalha dos 5 Exércitos

Claro está que se vi os outros dois filmes tinha de terminar de ver a sequela. Como sempre filmado com uma competência extraordinária e com efeitos especiais estupendos, esta filme não desilude nessa perspectiva. Mas fazer 3 filmes de «O Hobbit» pareceu-me excessivo e um bocado "ordenhar demasiado a vaca". Já não apresenta nada de novo e já aborrece.

14/20

The Hunger Games : A revolta (parte 1)

Apesar do filme (em relação aos outros) ter perdido algo em termos de acção, não deixa de ganhar em profundidade emocional. O filme sofre um pouco com o facto de ser a primeira parte do capítulo final, o que pode deixar-nos com a sensação de algo que não está completo, mas resulta em entretenimento garantido não obstante.

15/20

terça-feira, março 10, 2015

Sentir


Quem cospe para o ar...

Há uns anos atrás o meu irmão estava a tirar o seu segundo curso na Faculdade de Letras. E eu fui visitá-lo e reparei que os seus amigos não eram pessoas da idade dele (40 na altura), mas os colegas de turma de 18. Eu armado em parvo disse «mas ouve lá tu só te dás com miúdos?» Por ironia do destino estou agora a namorar com um desses miúdos. E está (até agora) a ser estupendo. 

segunda-feira, março 09, 2015

sexta-feira, março 06, 2015

Mais uma para para juntar às outras

Adivinha-se uma operação à coluna para breve. Vou ver se arranjo uma segunda opinião, mas parece 85% certo. Ainda sobre 15% de probabilidade de não ser preciso. 

Estou surpreendentemente tranquilo. Conheci uma senhora que já tinha ultrapassado 5 cancros e quando apareceu o sexto disse «é mais um para ultrapassar» e ultrapassou. perdi o contacto entretanto não sei se lhe apareceu o sétimo, mas o espírito tem de ser aquele. 

quinta-feira, março 05, 2015

quarta-feira, março 04, 2015