segunda-feira, agosto 03, 2020

O Big Brother 2020 chegou ao fim

E claro que as pessoas de boa índole chegaram ao fim no topo da tabela. Só tinha metido a Slávia no lugar da Sandrina para ser perfeito (não que a ache má miúda, mas deu-se com as pessoas erradas). Que venha o próximo Big Brother rapidamente, para não ser obrigado a ver mais o Daniel Monteiro, Hélder, Pedro Soá, Sónia, Pedro Alves, Jéssica, Teresa e Angélica (mesmo que involuntariamente). Não obstante, boa sorte a todos nas suas vidas (mas por favor longe dos média generalistas).

quinta-feira, julho 16, 2020

Big Brother 2020

Apesar de resistir à ideia de ver o Cláudio Ramos a ser péssimo apresentador, lá cedi e acabei por estar a acompanhar o Big Brother, que há 20 anos atrás foi um formato bastante interessante e que agora o é bastante menos porque a nossa sociedade mudou. As pessoas dentro da casa são o reflexo desta nossa sociedade hedonista, impaciente,  imediatista e sem capacidade de se pensar a si mesma.

Fiquei chocado inicialmente e depois comecei a seguir o programa à laia de "guilty pleasure" (e nas galas passar a parte do Cláudio para a frente). O que acabou por me prender foi a curiosidade de ver se algumas das pessoas com carácter duvidoso conseguiria chegar à final. 

Felizmente, o grupo dos pessoas com maus fígados tem estado a sair da casa seja por escolha do público, por expulsão ou por desistência. Mas para alguém com um mínimo de bom senso é assustador perceber que determinadas pessoas existem e ainda a facilidade com que elas se organizam em matilha contra alguém que não pense exactamente da mesma forma.

E não vale a pena conversar com essas pessoas ou porque são terrivelmente prepotentes ou burras ou as duas coisas. Tenho visto maldade gratuita inqualificável e uma incapacidade gritante de auto-análise misturada com egocentrismo.  

Assim, Pedro Soá, Sónia, Teresa, Daniel Monteiro, Jéssica, Pedro Alves, Hélder e Angélica representam muito do que há de mau na sociedade, mas mau mesmo. 

Por outro lado, é bom saber que existe pessoas como a Slávia, Diogo, Ana Catharina, Soraia e até a Iury. 

E para terminar gostava de deixar esclarecido que ser frontal não tem nada a ver com ser agressivo, mal-educado e intolerante. Portanto, qualquer um do grupo dos maus fígados que invoca frontalidade constantemente, é ou burro (não sabe língua portuguesa) ou intelectualmente desonesto. 

Do meu lado já só quero mesmo ver quem é finalista, vou parar de acompanhar porque cansa tanta maldade. Desgasta o espectador. 





O que se pode fazer apenas com voz



Uma boa versão da canção da Dua Lipa. Sem instrumentos. 

terça-feira, julho 14, 2020

Pensamento aleatório

Quando achamos que o que está à nossa volta não faz muito sentido, estamos mais perto de partir em busca dele. 

A minha sobrinha comove-me

- Tio, queres mesmo ser pai de verdade?
- Depende muito do que acordar com o teu outro tio sobre adopção.
- Como eu não vou ser irmã de ninguém, gostava de ser prima. Mas olha, se adoptares uma dessas meninas perdidas no sistema. Vais ter de ter muita paciência e compreensão. Ela já deve ter tido outras pessoas que não a quiseram e vai estar muito triste ou revoltada. Tens de lhe dar muita atenção para ela confiar em ti e saber que gostam dela.

terça-feira, julho 07, 2020

Judeus Sefarditas e a nacionalidade portuguesa

Acho bem que a lei seja restringida a famílias que tenham efectiva ligação a Portugal. Não acredito que estejamos a reparar a história com isto e gerou-se, apenas, uma forma fácil de obter um dos passaportes mais apetecíveis no mundo. O passaporte português e o 4º passaporte mais valioso para entrada em países terceiros.

Eu próprio sou descendente de judeus por linha paterna, mas não suporto a ladainha de vitimização da comunidade judaica (genericamente falando) e a tentativa constante de rentabilizar os horrores que o povo judeu sofreu no passado. Há muitos povos no mundo a sofrer horrores indescritíveis e outros que foram (e continuam a ser) exterminados. Mas falamos de povos africanos, asiáticos, e sem o poder económico e mediático do povo judeu. 

Diz o provérbio popular que "quem não chora não mama", mas começo a ficar um pouco farto tanto do choradinho, como do paternalismo ocidental para com esta população. 

Gostava que houvesse verdadeira justiça no mundo, para todos os povos, e não privilégios para quem tem mais recursos e capacidade de organização.  Se houvesse justiça para as pessoas todos estávamos incluídos, porque todos somos pessoas. 

segunda-feira, julho 06, 2020

Um frase importante

«Dar direitos a todas as pessoas, não retira direitos a ninguém.»

A prima do meu namorado

Uma das primas mais novas do meu namorado perdeu no espaço de um ano duas pessoas pessoas estruturais na sua vida: o avô e a mãe. Basicamente foram estas pessoas que a criaram e que lhe davam estrutura emocional. A miúda, que ainda tinha 14 anos, perdeu o ano escolar e ficou no meio de uma decisão entre ir viver com a irmã mais velha ou ficar perto daquilo que conhecia (mas ao cuidado de uma avó bastante castradora). Escolheu a segunda opção, mas tem andado um pouco sem referências e numa tensão que não lhe tem deixado muita objectividade quanto à vida. Parece que é como se o futuro não importasse. Não quis seguir uma via de estudos, mas concordou em tirar um curso técnico-profissional a partir do 10º ano. Ao saber disso,  tenho dedicado alguma atenção extra à miúda e tentado que ela invista seriamente no que vai fazer e se for boa, quem sabe, poder no final desta aventura voltar ao caminho da universidade.

É uma miúda inteligente e com bons princípios (parece-me) e por isso poder fazer algo para lhe alargar os horizontes e permitir que ela tenha mais opções de escolha e de decisão é algo que me faz bastante sentido. Às vezes o facto de alguém se ter importado pode fazer a diferença na vida de uma pessoa, em especial na adolescência. Quem sabe isso possa acontecer neste caso, o que eu sei é que não vou desperdiçar a oportunidade de poder fazer essa diferença, mas sendo um investimento a fundo perdido. 

Durante o almoço

Durante o almoço de hoje fiquei a ouvir tudo  que se falava no restaurante sobre a COVID e é incrível a desinformação que existe. Também é evidente as diferenças entre pessoas que coabitam o mesmo espaço, aquilo que elas estão dispostas a ceder, aquilo que elas conseguem tolerar. 

Já percebi que:
- há gente que acredita que a vacina do COVID tem um microschip para nos controlar;
- há pessoas que se recusam a ficar confinadas (porque não nascemos para isso);
- há pessoas que não fazem ideia do que se passa no país em termos de prevenção;
- há pessoas que acham que existe medicação para curar o vírus nos hospitais e por isso é uma parvoíce andar de máscara.

terça-feira, junho 30, 2020

Não me espantava nada...

Não me espantava nada que a Maria Vieira fosse candidata a deputada pelo CHEGA nas próximas eleições. Uma mulher tem de ganhar a vida de alguma forma, já que como actriz e usando a célebre expressão do Herman... «goodbye Maria Ivone». Pode ser que ela seja chamada a expressar-se sobre as "suas" ideias e seja tão divertido como na entrevista do Goucha. 

R.I.P Maria da minha infância e adolescência. 

Ouvem-se os sinos celestiais (parte 2)

É possível que venha aí um dueto entre a Dua Lipa e a Madonna. É a realização do paraíso Pop.

Ouvem-se os sinos celestiais

Amanhã volto ao ginásio! Yaaaaaaaaaaaassssssssssss.
A ver se me mantenho afastado da COVID.

segunda-feira, junho 29, 2020

A administração pública na Suécia

Fiquei a saber, com bastante agrado, que os funcionários públicos não fumadores têm um bónus de 3 dias de férias na Suécia. A medida pretende compensar os restantes trabalhadores pelo tempo que os fumadores andam de "rabo levantado". Também sou a favor de medidas de diferenciação que premeiam os trabalhadores, seja deste género ou ainda por produtividade.

quinta-feira, junho 25, 2020

Directamente das minhas memórias de 2006


Put Your Records On - Corinne Bailey Rae

quarta-feira, junho 24, 2020

Piada Seca LXVIII

Conversa entre rapariga e rapaz.
- Diz-me lá, como é ter um pénis?
- Às vezes é muito duro.

terça-feira, junho 23, 2020

Lovely - Billie Eilish (ft Khalid) com vídeo alternativo

Uma das canções que mais gosto da Billie Eilish com um vídeo alternativo que assenta bem no tema. Quem se lembrou...lembrou-se bem.


Mercúrio retrógado

O ferro de engomar acabou de estoirar e o computador do trabalho está com problemas. Não obstante, hoje li que existe também um lado positivo do Mercúrio retrógado:

"Esta fase é óptima para estimular o intelecto: ler, estudar, reflectir, investigar, rever ou terminar alguns assuntos e/ou projectos do passado que tinham ficado em standby."

Pronto, nem tudo é mau.

Era COVID19

Acho que a contenção e o confinamento me estão a deixar apático. Será que este sentimento é sentido de forma igual pelas restantes pessoas? Eventualmente as da minha geração?

A insustentável leveza do ser

Já não faço ideia do que é a sensação em epígrafe. Ando sempre ansioso pela falta de tempo, pela receio de não ter ideias inovadoras o suficiente para fazer a diferença no local onde estou a trabalhar, pelos 5kg a mais (da ausência de exercício físico e do comer emocional).

Pára. Analisa. Repensa. Reagrupa. Começa de novo.

A arte maravilhosa de Arinze Stanley

Um dos movimentos artísticos que mais me entusiasma é o Hiperrealismo. Chuck Close é talvez um dos expoentes máximos do movimento,  mas artistas como Roberto Bernardi, Pedro Campos, Robin Eley são verdadeiramente estupendos. No entanto, ontem, creio que conheci o artista que mais me emocionou dentro deste tipo de arte: Arinze Stanley. Para além do realismo associado à técnica perfeita, temos a expressividade da mensagem. É verdadeiramente maravilhoso. Espero que se emocionem tanto quanto eu. Se estes desenhos não são pura perfeição, não sei o que possa ser.



O Privilégio Branco

Um dos vídeos mais interessantes que vi sobre o assunto. Explica muito bem o privilégio branco. O vídeo é de um Drag para ter uma bocadinho mais de leveza, mas a abordagem é real e científica, e muito bem articulado. Acho que dos vídeos mais bem fundamentados que já vi.



sexta-feira, maio 29, 2020

Sindicatos

Os sindicatos deveriam existir para proteger os trabalhadores, mas é 90% ilusão. Os sindicatos são, na sua maioria, grupos que têm de justificar a sua própria existência, não olhando a meios para tentar ser relevantes. Ambições políticas e pequenez de espírito é a tónica geral dos dirigentes. Não são todos lamentáveis, seria injusto dizer que sim, mas são na sua maioria lamentáveis. 

Em época de COVID19 é vê-los sair da toca em busca de estratégias de angariação de associados. E não, eu não sou um homem de direita. Mas os sindicatos não representam a esquerda. Longe disso. No ministério onde estou agora a trabalhar, a desonestidade intelectual dos sindicatos é gritante e não se importam com nada a não ser causar ruído e levar a sua avante, para garantir aplausos dos associados, mesmo que seja com não-questões, e estando a borrifar-se para os custos indirectos (ou simplesmente porque são burros que nem uma porta) que certas tomadas de posição vão ter nos trabalhadores e no país. 

Há tanta gente a trabalhar duro para não permitir que os serviços públicos deixem de funcionar e, porque trabalho não é com eles, os senhores dirigentes tentam desvirtuar tudo o que podem, apenas para serem o Xico-Esperto do momento. O sindicato que conseguiu falar alto. O sindicato que conseguiu parar a máquina do Estado com as suas reivindicações. 

O meu nível de repugnância atingiu níveis estratosféricos. No outro ministério os sindicatos pareciam meninos de escola em comparação. Nunca suportei pessoas desonestas.


sexta-feira, maio 22, 2020

Como é possível?

Hoje estou a sair do trabalho às 19h, tendo entrado às 10h. Um dia que não saio às 21h ou às 22h (entrando às 9h). Espero que o meu babe tenha um vinho fresquinho no frogorífico. É de celebrar. 

terça-feira, maio 19, 2020

É o que dá fazer as coisas a dormir

Tinha de transferir dinheiro para o meu irmão e executei o proposto, mas não me aparecia no saldo. Repeti mais duas vezes e nada. Achei que algo de estranho se passava com a App do banco. Passaram dias e nada. Descobri hoje que tinha transferido o dinheiro da conta da minha mãe. Ia dar-lhe um ataque quando visse que lhe faltavam uns quantos mil euros na conta. Lá percebi a tempo e está tudo resolvido. 

Coisas boas

No meu novo trabalho não são só "espinhos". Gosto muito da auxiliar e das secretárias, pessoas que valorizo bastante e com que sou bastante simpático porque nunca me esqueço das minhas origens. Uma das minhas avós lavava escadas e nenhuma profissão me parece menor (vá... talvez jogador de futebol :-p). Parece que estas senhoras também gostam de mim porque volta e meia recebo mimos, um chocolate, umas bolachas, etc. Hoje foi um pastel de nata para o Dr. Silvestre. Estes pequenos gestos deixam-me feliz. 

domingo, maio 17, 2020

Afinal Ella ainda vive


Ella Henderson - Glorious

Escapou-me o regresso da Ella Henderson (após 4 anos sobre o primeiro CD) porque o EP datado de setembro de 2019 não fez sucesso nas rádios. É o que dá separar-se de uma editora multinacional para querer manter o controle criativo da sua música. Desejo que ela consiga voltar "a dar música" a todos.

sexta-feira, maio 15, 2020

A provar que sou um gajo antigo

Acho que o meu velho amigo Silvestre, está cada vez mais a seguir um modelo de carta ou telegrama. É cada vez menos imediato. Venho cá de vez em quando contar as novidades "da terra" sem muitas complicações. Quem de direito perguntará mais depois, ou espera até à chegada da próxima "carta".

Estou viciado na série The Good Wife

Dizem os mais velhos que nunca é tarde. Apesar da série ter acabado em 2016, descobri-a há umas três semanas e tenho consumido o tempo livre com elas. E parece que alastrou ao Macaquito. Podia ser a típica série de advocacia, mas não é. Há li muito de humano. Nada é linear. Somos bons e maus, dependendo das ocasiões, há milhares de tons de cinzento entre o preto e o branco. Esta série podia ser um ensaio sobre isso, as tonalidades de cinzento. 

Gosto das colaborações da Julia Michaels


Lauv ft Julia Michaels - There's no way





Julia Michaels ft. Niall Horan - What a time

A melhor prenda de anos

No dia 10 de maio fiz 46 anos. Este ano foi tudo muito esquisito. O mundo não é o mesmo lugar do ano passado. Contudo, este ano, o facto mais singelo acabou por ser a melhor prenda. Vi a minha mãe depois de 2 meses sem nos vermos. Pudemos dar um abraço enorme, apertado, cheio de amor, cheio de saudades, cheio de vida. Tive apenas 2 prendas este ano. Um livro e o abraço da minha mãe. Há dias que conseguem ser mesmo perfeitos. 

I'm still breathing

O trabalho tem-me ocupado demasiado, mas ainda respirar. O ser humano habitua-se a tudo, a más horas, a maus horários e à má vida. Aqui a má vida não é borga. Antes fosse.