terça-feira, maio 26, 2015

A minha vizinha preferida... (not).

Depois de não me ver durante 3 meses, brindou-me com um «Olá vizinho... eh lá está "fortezinho"». Acho que ela queria mesmo dizer gordo. É do que precisa um deprimido convalescente... uma dose de realidade. Pelo menos achou que os calções iam bem com a camisa.

Coisas da minha sobrinha

L: Tio vem comigo que vou mostrar-te uma coisa fascinante
S: O quê? (pensando «mas as crianças de 6 anos já dizem fascinante?»)
L: Daqui vai sair uma borboleta. Sabes o que é isto? É um carolo! Tem uma lagarta lá dentro.
S: É mesmo fascinante que uma borboleta saia de um carolo.

Não tive coragem de lhe dizer que era um "casulo" e não um "carolo".

Pergunta...

Mas o mundo civilizado não detém o Estado Islâmico porquê?

A depressão explica... (espero)

Vi o filme «Sharknado» há 2 dias.

segunda-feira, maio 25, 2015

Electromiografia

É o nome do exame que fiz hoje. Consiste em levar choques eléctricos para perceber se os nervos reagem normalmente e levam a instrução aos músculos. A primeira parte não é assim tão má. Agora aquela em que nos espetam agulhas nos músculos e nos dão descargas internas enquanto temos de realizar exercícios motores é dose. Ainda tenho marcas das unhas na nuca (quem me mandou meter as mãos atrás da cabeça).

Pássaro Branco

Depois de Mysterious Skin (que adorei) é o segundo filme que vejo do realizador Gregg Araki. A meu ver continua com a exploração do lado obscuro de cada pessoa. O que está para lá da imagem que produzimos. É um thriller em formato drama. O desaparecimento de uma mãe de família sem deixar rasto é o ponto de partida de uma história que explora as próprias representações e preconceitos do espectador, conduzindo por isso a um final bastante surpreendente. Vale a pena ver.

15/20

Mad Max: Estrada da fúria

Este quarto filme da saga, sem trazer nada de novo, é sem duvida um upgrade. Para quem gosta de acção o filme é sem dúvida uma vertigem, não me lembro de um filme com tanta acção nonstop. Não obstante não sinto que se percam alguns aspectos fundamentais de personagem, tanto o Tom Hardy como a Charlize acrescentam doses elevadas de "drama clássico" para compor o que é esperado da pessoa que desempenham. Há também um conjunto de mensagens filosóficas menos imediatas que despontam ao longo do filme. Para que gosta de filmes Série B este capítulo da saga também faz uma piscadela de olho.

15/20

A minha varanda



quarta-feira, maio 20, 2015

Os (meus) últimos 20 dias


  • O computador caiu ao chão e partiu-se
  • Tive mais dores
  • O gato perdeu pêlo
  • Fiz prova de incapacidade (sigo impróprio)
  • Fiz nova ressonância magnética
  • Dores continuaram
  • Corpo cheio de borbulhas como efeito da medicação
  • Fiquei deprimido
  • Namorado renovou a varanda para alegrar-me (ficou linda)
  • Continuei com dores e borbulhas e deprimido
  • Descubro que fiz fibrose, recuperação mais problemática
  • Nova medicação e esperança renovada
  • Comprei novo computador
  • Fiz 41 anos
  • Cortei o cabelo ao namorado e ficou lindo
  • Voltei a ter fortes dores 
  • A medicação não funciona mas pelo menos não dá borbulhas
  • Deprimi e nem me apetece sair do quarto
  • Tenho de fazer novo exame e este não é comparticipado
  • A hipótese de fica com dor crónica é cada vez mais forte
  • O gato continua a perder pêlo
  • Fui nadar por indicação médica e correu mal
  • Passei dois dias a sentir-me uma vítima
  • Vi um quadro da Frida Kahlo que viveu com dor crónica desde os 16
  • Não vou ser vítima - se a Frida conseguiu, eu também consigo
  • Decidi tentar ganhar a luta contra a depressão
  • Fui ao cinema ver o Mad Max
  • Arrumei o guarda-fato (é um princípio)
  • A dor vem e eu penso "dói puta que eu vou ignorar-te"
  • O gato continua e perder pêlo (aquilo nunca mais acaba)
  • Acabei de escrever um post no blogue


segunda-feira, maio 04, 2015

Prova de incapacidade

Escrevi no FB "a fazer prova de incapacidade na Segurança Social" e alguém meteu gosto. É  bom ter amigos assim...

quarta-feira, abril 29, 2015

O que mostra a tua Janela?

Depois de ler um post do Namorado sobre o que mostra a janela do quarto dele. Decidi meter em foto o que mostra a minha janela, a maioria das vezes...



... o meu namorado a fumar o seu cigarro na varanda. :)

terça-feira, abril 28, 2015

A opinião das pessoas

People’s opinions, their feelings, they go one way, then the other. It just so happens you grew up at a certain point in this process.


by Kazuo Ishiguro

Senhoras e Senhores... Indiana



Solo dancing - Indiana

Indiana é uma cantora inglesa de 27 anos com uma voz suave mas incisiva que flutua sobre texturas electrónicas e trip-hop - umas vezes mais dançáveis, outras explorando sonoridades e ambientes mais escuros.  O álbum No Romeo foi editado em Fevereiro de 2015.

It´s an "us" thing...

O Silvestre e eu. Eu e o Silvestre.

Prémios Cigno 2015 - Tipo balanço

Foi uma iniciativa gira (mais uma) do Namorado que certamente deu muito trabalho (thumbs up para ele e para o Miguel R). Acho meritório que graças a ele a blogaysfera (ou parte dela) continue a realizar trabalho conjunto em torno de iniciativas engraçadas. Fiquei a conhecer blogues novos. Fiquei a saber que o que é moldado ao estilo da Eurovisão, se desenvolve ao estilo da Eurovisão (:-p) e espero que alguém, no futuro, agarre na ideia porque há sempre detractores que acabam por dar cabo do estímulo ou das boas intenções de quem promove iniciativas e não está mais para ter trabalho e ainda ser ofendido. Claro está, os detractores sempre a falar ao abrigo do anonimato, mas gente imatura e/ou mal-fodida há aos magotes. Eu não devia dizer palavrões, mas não há muita gente que vá ler isto e a minha mãe definitivamente não vai e ela é quem ainda fica chateada se digo algo mais forte que "chiça".

domingo, abril 26, 2015

Uma questão de nome

L: Papá porque é que me chamo Leonor?
P: Porque os papás gostavam e é um nome português.
Silvestre: Como é que gostavas de te chamar?
L: Bloom Sparkle Twilight...
Silvestre:...

quinta-feira, abril 23, 2015

O que é o amor para ti? (repost)

Numa aula de português do 9º ano, a professora pediu-nos para definirmos o amor, lá comecei a ouvir as frases da ordem «o amor são dois olhares num só», «o amor são duas bocas num beijo», etc, etc. Já estava à beira da náusea quando chegou a minha vez e respondi «o amor é como pasta de dentes com sabor a peixe frito». A professora quis-me por na rua. Assumi o meu estatuto de incompreendido que durou até ao final da faculdade quando uma colega assinou numa das minhas fitas «conhecer-te é como comer um iogurte a seguir a um cozido à portuguesa». Aparentemente era a pessoa certa para compreender a frase da minha adolescência. Não me enganei.


ps.deu-me vontade de fazer o repost depois de ler a associação entre amizade e carnes flácidas no blogue do Pedro. A liberdade poética é uma coisa linda. 

Sapiossexual

(adj) A form of sexual orientation characterized by a strong attraction to intelligence in others, often regardless of gender and/or conventional attractiveness...


E esta hein? 

Senhoras e senhores... The Tiger Lillies



Nothing is Sin - The Tiger Lillies

Para definir a música deles diria que circo e drama se cruzam com cabaret francês. O resultado são canções teatrais que podem ir do cinemático trágico ao estilo Kusturica enérgico. É um prato de comida diferente. Mas o diferente pode ser bom.

Gajos pouco claros - Gajo 2

O Gajo 2 conheci-o na praia através de um amigo que me disse «hoje vem cá ter um rapaz de quem eu gosto bastante. já dormimos juntos mas ainda não aconteceu nada. Quero ver o que me dizes dele.» Quando ele chegou à praia, fomos apresentados e a tónica do dia é que ele ficou a falar muito mais tempo comigo do que com o meu amigo.

No fim da tarde disse-me «gostei imenso de te conhecer, tens de aparecer com o D. na minha casa para tomarmos café». Adicionou-me no Facebook (parece que é sempre o passo seguinte).

Uns 4 dias depois disse-me anda beber café a Campo de Ourique o D. não pode vir, mas vens tu. Fui e foi um serão bastante simpático, falei de várias coisas, de projectos, do namorado que vivia em Espanha, Ele falou de coisas profissionais, do cão, etc.

Convidou-me para um novo café onde esteve também presente o companheiro de casa dele durante um bocado, e depois disseram-me se eu não queria ir conhecer a casa que era ali mesmo ao lado. Fui e estava tudo a ser bastante simpático até o amigo se ter retirado.

Diz-me «simpatizas bastante comigo, certo?» Ao que eu respondi que sim. «Então porque é que ainda não falaste em ir para a cama comigo se nos estamos a dar tão bem?».Eu disse que ele sabia perfeitamente bem que eu tinha namorado não percebia a pergunta. Ao que ele simplesmente respondeu «desculpa, isso nos dias de hoje não importa nada, não me venhas com essa, é porque eu sou feio? Não gostas do meu corpo?» Disse-lhe que não havia nada de errado com o corpo dele que até era bastante atraente, mas eu tinha namorado e que para mim as relações são a dois e não a três ou com participações especiais. Pareceu-me que aceitou bem a resposta.

Uns dias depois estava com uma amiga nas Amoreiras e passa ele com um amigo, Fui para lhe falar e ele fez um leve aceno de cara e foi embora. Eu fiquei plantado e a minha amiga a perguntar se eu não me tinha enganado na pessoa. À noite mandei-lhe uma mensagem a perguntar o que tinha sido aquilo. Respondeu-me que não gostou que eu estivesse tão próximo da casa dele e não tivesse dito nada. 

M-e-d-o. Nunca mais aceitei convite nenhum e deixei este contacto arrefecer até à inexistência. 

quarta-feira, abril 22, 2015

A novidade que afinal não era

Silvestre: Tenho uma coisa para te contar.
L.: O quê tio?
Silvestre: Tenho um namorado novo.
L.: Oh...eu já sei. O F.
Silvestre: Sabes como?
L.: Duhhh... eu já o vi na casa do meu pai. Só não falei com ele porque a mamã me disse para não falar com pessoas que não conheço, mas hoje já posso porque já o conheço.
Silvestre: Mas como é que sabias que era namorado do tio?
L.: Oh... eu sei estas coisas. O que é que ele lá estava a fazer?

Belos 6 anos tem a minha sobrinha.

Photograph - Ed Sheeran



Photograph - Ed Sheeran

Gajos pouco claros - Gajo 1

Conheci o Gajo 1 através de um amigo, na altura namorava o meu ex, e ele  disse-me que sentia uma enorme química comigo que eu era muito porreiro.  Fiquei contente porque ele era bastante simpático e nunca digo não a novos amigos. Comecei a ser adicionado às saídas do grupo deles e estava bastante contente por ter pessoas novas na minha vida.

O Gajo 1 pediu-me amizade no Facebook, número de telefone e parecia promissor até uma saída em que 3 de nós fomos tomar banho numa barragem em cuecas. As cuecas não secaram e tivemos de tirá-las antes de vestir os calções. No carro adormeci porque estava podre. 

No dia seguinte começaram as conversas de FB, «ontem no carro adormeceste e a tua perna ficou colada à minha». Ao que respondi que não tinha dado por nada porque estava a dormir. Depois seguiu-se o «apesar de te teres virado ontem eu vi-te a pila. agora só me falta vê-la de pé e olha que eu sou capaz de fazer maravilhas na cama, olha que aguento como ninguém». A esta conversa bastante explícita «respondi que certamente que ele era maravilhoso na cama, mas que eu tinha namorado e por isso não ia acontecer nada». Ele simplesmente respondeu «mas qual é o problema? ninguém tem de saber dos nossos conhecimentos, só tu e eu». Eu respondi que eu ficava a saber e que não fazia isso.

Seguiu-se mais uma ida à praia, seguiu-se mais uma ida a um evento conjunto, mais algumas conversas sobre aquilo que eu estava a perder e como era bom na cama. E a minha resposta cordial a agradecer a preferência, mas que não obrigado.

A última conversa que tivemos foi sobre o facto de eu uma conhecer uma prima dele. A seguir a isso apagou-me do Facebook e mais tarde o amigo que nos apresentou, disse que tinha estado num jantar em casa  dele e que se tinha falado no meu nome e que ele disparou numa raiva enorme e a falar mal. Não percebia porquê. Eu tenho as conversas de Facebook guardadas. Lá está o porquê. Embirro profundamente com pessoas que me vêm com a conversa da amizade e depois é isto. E este foi apenas um deles. 

terça-feira, abril 21, 2015

Senhoras e senhores... Kovacs.



My love- Kovacs

Sharon Kovacs é holandesa, é sexy, é dark, é emocional. Eu diria que a sua música cruza Lana del Rey com James Bond e tango. Poderá ser uma cantora bastante interessante para quem gosta de cenários dramáticos em tons profundos.

A vizinha Palmira

A minha vizinha Palmira foi viver para a casa ao lado da minha tinha eu 20 meses. Quando a minha mãe precisava de fazer algo, deixava-me com esta vizinha por algumas horas porque ela gostava muito da nossa família. Quando eu tinha 4/5 anos deixa-me brincar com os brinquedos do filho, uns 11 anos mais velho que eu, que guardava religiosamente para os netos que havia de ter. Eu não estragava nada e arrumava tudo na gaveta, depois preparava-me o lanche iogurtes ou papa de banana e bolacha.

Trabalhava imenso para ter uma vida melhor. O marido tinha zero ambição e ela queria mais. Tinham uma péssima relação com episódios de agressão. Era muito nervosa e teve 3 esgotamentos nervosos ao longo da vida. O meu pai, porque achava que ela era uma mulher de armas propôs dar-lhe uma quantia de dinheiro para ela comprar mercadoria e vender. Pagaria quando pudesse (o meu pai era este tipo de homem, permitiu a bastante gente que se lançasse na vida por acreditar neles e achar que mereciam). Assim começou a vida dela como vendedora, primeiro roupa, depois ouro e conseguiu vencer na vida.

Era uma mulher humilde no vocabulário e no trato, o que não agradava à mulher com quem o filho casou (que infelizmente se esqueceu de onde tinha vindo a família dela). Quando chegou o tão desejado neto (uma menina), ela podia ver a neta uma vez por semana durante uma hora e pouco e se o filho se atrasava, às vezes eram 10 ou 15 minutos, em que ela andava a fazer macacadas e a rebolar no chão com a miúda. Mas sabiam a pouco e ela sofria muito por isso. Chorava bastante por esse facto e eu não conseguia compreender porque tinha de ser assim.  

Já eu tinha os meus 18 anos e ela, quando os meus pais estavam fora ainda vinha perguntar se eu precisava de alguma coisa e lá vinha com uns iogurtes de banana na mão (os que eu comia quando era pequeno), que deixava ficar. Era devota do Dr. Sousa Martins e ofereceu-me uma medalha para eu colocar na carteira, perdi-a mas não lhe contei. O marido morreu de cancro no fígado, ela disseque rezou ao Dr. Sousa Martins para ele nunca ter dores. Não sei se foi pela fé dela, mas ele nunca teve dores, mesmo quando os médicos diziam que era impossível ele não as ter. Confesso que fiquei na dúvida.

Andava sempre com umas mãos bem tratadas e bem arranjada. Umas unhas grandes pintadas de vermelho, as suas pulseiras de ouro, o  cabelo sempre arranjado e a roupa toda janota. Sempre num asseio e com um bom gosto que foi adquirido e trabalhado com os anos. Contudo, os anos de nervos, de trabalho duro, de sofrimento fizeram a cabeça vergar. Começou a ter mais problemas, aos 70 anos já se perdia. Estava em Lisboa e não sabia onde morava, várias vezes a vieram trazer a casa porque ela sabia descrever o monumento lá no nosso sítio. Mas piorou, as conversas deixaram de ter nexo e ela deixou de sair de casa.

Quando ia visitar a minha mãe, ela dizia-me que a Palmira estava muito mal. Mas quando estava ao portão lá a ouvia chamar o meu nome. Ia ter com ela, estava confusa, mas não se esqueceu de mim do meu irmão, da minha mãe e do meu pai. Já não era a mesma, o cabelo por pintar, as unhas roídas e meio sujas, a roupa cheia de nódoas, o jardim que ela cuidava como um paisagem de um quadro num desalinho. Não importava o quão longe estivesse, ela gritava sempre o meu nome e eu via a mão a dizer-me adeus. «Gosto muito de vocês, nunca me esqueço de ti». 

Estive em casa da minha mãe e o quintal da vizinha Palmira parece uma selva. E ela deixou de dizer adeus. O filho levou-a para um lar porque ela já deixava o gás ligado, e era um perigo para ela mesma. Ninguém sabe para onde a levou. A minha mãe falou com a cunhada dela que também não sabe onde ela está. Parece-me tudo, no mínimo estranho.

Não sei porquê hoje a vizinha Palmira não me sai do pensamento. Terá 76 anos penso. A mente foi embora. Mas eu retenho apenas que foi uma grande mulher. Lutadora. Amiga. Não sei o que foi feito dela. Não sei se morreu. Achei que devia falar dela. Foi sempre boa para mim e para os meus. E teve sempre um sorriso verdadeiro para nós, mesmo quando a cabeça dela já não a deixava ser quem era na totalidade. Sei que esteja ela onde estiver eu estou no seu coração. Ela definitivamente está no meu. 

É mais ou menos isto...


segunda-feira, abril 20, 2015

Senhoras e senhores ... Moddi



Smoke - Moddi

Para quem gosta de Folk Pop este cantor norueguês pode ser uma boa opção. As suas canções são melódicas e oscilam entre o calor afectivo e o melancólico, com orquestrações muito ricas apesar da simplicidade intrínseca. 

Amigo

Esta palavra tornou-se demasiado polissémica.

A minha mãe e o domingo feliz...

Um dia ainda vou escrever aqui um texto biográfico sobre a minha mãe. Também falta escrever um sobre o meu pai, mas há tanto para dizer que parece sempre pouco tudo o que eu possa dizer. 

Quando fui operado à coluna a minha mãe veio para a minha casa para ajudar no que fosse preciso porque o namorado trabalha e eu não podia ficar sozinho. Esteve cá três semanas e deu-se muito bem com o namorado com quem, até à data só tinha estado uma noite a jantar. Uniram os dois esforços para me fazer a vida o mais fácil possível.  Como as minhas melhoras nunca aconteceram acabei por lhe pedir para ir para casa, uma vez que ela ficava transtornada quando as minhas dores apertavam. 

Acabei por me habituar ao mal-estar e agora tenho ordem para andar e alternar entre o deitado e o estar de pé. Aproveitou para marcar um almoço a casa dela no domingo. Quando cheguei vi que tinha cortado o cabelo como eu gosto de a ver, preparou um entrecosto assado no forno porque eu andava a falar nisso há semanas, um arroz doce maravilhoso e uma salada de frutas espectacular para o namorado porque se lembrou de ele dizer que adora salada de frutas. 

O meu irmão lá estava também com a sua garrafa de vinho alentejano, como manda o figurino, e fartamo-nos de rir e conversar. Um verdadeiro almoço de família onde só faltava a minha sobrinha para estar a família completa. 

Gostei dos detalhes da minha mãe para com o namorado que já estima, como ela me disse «quem trata tão bem o meu filho só pode ter o meu afecto». E mais uma vez a minha mãe, com o seu metro e meio, mostra-me que é enorme. Somos uma família e ela sabe gerir a família como ninguém. 

sábado, abril 18, 2015

Azeite e gatos não é uma boa combinação

Entornei azeite na bancada e o Sr. Limão foi logo pisar o azeite. Irritado, empurrei-o para fora da bancada e posso dizer que graças ao azeite ele não aterrou de 4. Não foi propriamente uma aterragem, foi mais derrapagem e cabeçada na parede. Azeite e gatos não é uma boa ideia. 

sexta-feira, abril 17, 2015

Momento introspectivo do dia

Sinto-me como uma grávida de 8 meses.

Pessoas... Wild Belle



Another Girl - Wild Belle

Adoro esta banda de Indie Pop, que cruza um pop psicadélico com sons electrónicos, soul e reggae. O álbum Isles é de 2013 e acho que vale a pena ouvir, em especial quem é fã das bandas sonoras dos filmes do Tarantino ou quem gosta de nostalgia revisitada com um "cheirinho" de modernidade. O som deixa-me mesmo bem disposto, assim como aquele sol de fim de tarde. 

Pessoas... Miss Leela James



My Joy - Leela James

Quase neste ponto...


Complexo de inferioridade

Quando as pessoas são:

- descomplexadas
- seguras de si
- assertivas
- que vivem bem com o seu corpo
- que se sentem felizes na sua pele
- que encaram tudo com naturalidade
- com poucos tabus
- que têm opinião formada acerca de muitos assuntos

Uma boa percentagem de pessoas vê-as como:

- mundanas
- com complexo de superioridade
- com a mania que sabem mais do que os outros
- exibicionistas (se tiverem bom aspecto)/ ridículas (se tiverem mau aspecto)
- frívolas
- levianas
- demasiado liberais ou imorais
- pedantes

Mas algo me diz que as pessoas que emitem o segundo grupo de juízos não reúne as características do primeiro grupo. Pergunto-me é se dão conta disso em algum momento. As pessoas inseguras e com complexo de inferioridade assustam-me bastante, são capazes de destilar os actos mais ferozes para atacar as pessoas que as fazem sentir pequenas e inferiores. E está tudo na cabeça das próprias, são elas que se sentem assim. A cabeça das pessoas pode ser um lugar muito sombrio e quem vive de uma forma plena e leve pode ser um alvo a abater simplesmente por isso. Já diziam as En Vogue "free your mind".

quinta-feira, abril 16, 2015

Memórias IV - A minha segunda ida ao Trumps

Estávamos em Agosto de 1996 e eu tinha começado a sair em Lisboa à noite com mais frequência depois de ter descoberto Frágil. O único problema deste local era ser bastante pequeno e por isso a porteira ficava um bocado à rasca com grupos grandes, o que faz sentido caso houvesse confusão. Assim o meu grupo de 8 pessoas foi barrado à porta (culpa da distracção porque normalmente partíamos o grupo e entrávamos em duas vezes).

As meninas do grupo e mais um amigo hetero sugeriram o Trumps porque não conheciam e queriam conhecer aquilo, nunca tinham estado numa discoteca gay. Fomos a votos e perdi. Só eu e um amigo hetero apavorado com a ideia é que votamos não. 

Problema. Tinha 22 anos, o corpo já atlético e tinha começado a vestir-me de acordo porque as amigas insistiam (na realidade eu continuava bastante complexado, porque um rapaz que foi gordo e sofreu por isso nunca o deixa de ser na cabeça) e estava todo de preto com uma t-shirt de pele de pêssego justa (eu sei, mas eram os anos 90 e usava-se), calças justas, botas e casaco de cabedal até aos joelhos.

Entramos no Trumps e não passei tão despercebido como da última vez. Tirei o casaco. Descemos as escadas as meninas radiantes porque ninguém parecia ligar-lhes e sentiam-se super seguras, eu vigilante, os outros gays confortáveis, o amigo hetero dos para-quedistas radiante porque tinha visto um casal de lésbicas giras a beijarem-se e isso excitava-o e o último amigo hetero num estado de nervosismo tal, como se o fossem violar a qualquer momento.

A música estava gira, bastante dançável. E como o grupo era grande comecei a dançar, o amigo para-quedista começou a roçar-se nas raparigas que ao fim de uma hora estavam bastante incomodadas. Enquanto aquilo esteve relativamente vazio não estive muito intimidado, mas quando começou a encher (e continuava a ser um local pequeno) havia demasiado homem e eram bem mais pesados do que aquilo que se vê hoje. 

Ofereceram-me duas bebidas que recusei com toda a antipatia de que fui capaz (hoje penso diferente, tinha aproveitado a bebida e vinha embora para o pé dos meus amigos, lol), lá fui dançando com as amigas, mas começou o assédio mais apertado. Não se podia olhar para a cara de ninguém que era logo entendido como um convite ao qual respondiam gestos de língua de fora, beijos aéreos ou toques. Dos 5 assédios da noite, os dois últimos já me deixaram farto, um tipo com cabelo cor de Sonosol e uma corrente no pescoço estava sempre colado a mim a dançar e um tipo parecido com o Steven Segal na faixa dos seus 50, que me puxou o braço para atenção e depois despiu a camisa até aos cotovelos para mostrar o corpo numa tentativa "poucochinha" de sedução. Ali achei que era demais e resolvi vir-me embora. O amigo hetero em pânico agradeceu, acho que o casal de raparigas lésbicas também apesar de já se rirem com o assédio do meu amigo para-quedista, que estava mais a brincar que outra coisa.

Na segunda feira seguinte, estava eu a apanhar o metro no Rossio para a universidade quando reparei num cabelo cor de Sonosol dentro da primeira carruagem, não entrei e fui para a segunda, mas ele veio atrás de mim e seguiu-me até Entrecampos. Achei isto um bocado tétrico e decidi nunca mais meter os pés no Trumps (ou outras discotecas gays). Entretanto o Frágil e depois o Lux eram os meus sítios costumeiros para dançar. Pelo menos mantive a promessa até ao verão de 2008 quando fui pela terceira vez ao Trumps e tudo foi diferente.

30 anos depois ainda adoro esta canção.



Slave to Love - Bryan Ferry

Alguém adivinha o original desta cover?



Put your hand on your heart - José Gonzalez

It's a hard knock life...

Pois.

quarta-feira, abril 15, 2015

Música das 18.45h...



Glorious - Foxes

O meu Instagram droga-se...

Como sugestão de pessoas a seguir tenho todo o clã Kardashian, a Taylor Swift, o Justin Bieber e a Miley Cirus. Não sei qual é a base de cálculo, o único famoso que sigo é a Madonna. Really Instagram?

Memórias III - Traição ou talvez não... (parte 1)

Parece que o conceito de infidelidade quando se está numa relação é uma coisa muito relativa. Na minha cabeça tenho uma definição que me parece bastante afinada, mas já me deparei com 3 situações em que os visados não sentiam que estavam a fazer nada de mal.

Na primeira situação o namorado foi para Londres com um amigo fazer uma viagem cultural. Depois do amigo ir para a cama com as galinhas porque não gostava de vida nocturna, o namorado aproveitava para ir ele sozinho para as discotecas gay que ficavam à mão. 

Numa bebedeira que apanhou uns meses depois dessa viagem contou que numa das saídas conheceu um taxista que o levou para casa dele onde vivia com o namorado e onde ficaram a noite toda na conversa e trocaram uns beijos, mas só por curiosidade. Não aconteceu nada de mais. Noutra noite conheceu um rapaz negro com um corpo musculado espectacular e foi para casa dele, mas não tiveram sexo só ficaram os dois nus na cama e só se beijaram e tocaram e ele resolveu vir embora antes de ir mais longe. A razão por não me ter contado nada é porque já sabia como eu era e eu ia levar estas coisas muito a sério e ficar chateado. E não aconteceu nada, ele não teve sexo com ninguém. 

Era o meu primeiro namorado e estávamos juntos há 5 anos e meio. Como eu tinha aquela ideia de ter uma pessoa para sempre, acabei por perdoar. Cerca de 1 ano e tal depois ele diz que precisa de tempo para pensar porque acabou de fazer 30 anos e só teve sexo com 3 pessoas na vida. Como a nossa relação era monogâmica e estávamos juntos há mais de 7 anos isso queria dizer que ele não ia ter mais experiências. Diga-se de passagem que tive uma sorte descomunal. E assim acabou a minha primeira relação. Ele arrependeu-se mais tarde e voltou com as armas todas que resultam com um coração de manteiga. O factor sorte foi eu ter conhecido o rapaz que viria a ser o segundo namorado 4 dias antes. Disse não. E a vida começou a desenhar-se muito mais feliz. 

terça-feira, abril 14, 2015

Upbeat fun song... toma lá Chromeo.



Jealous (I ain't with) - Chromeo

Parece mentira mas é verdade

Desde que estou de cama já vi quase todos os filmes do Resident Evil. São tão maus. Mas estou numa de junk food. 

Memórias II - Silvestre mete o pé na poça (à grande)

Resolvi fazer a tese de licenciatura na área de sociologia da família, estávamos em 1997 e eu era dado que era aos temas esquisitos e assim resolvi sugerir à orientadora: o síndrome do ninho vazio (problema enfrentado pelas domésticas depois dos filhos saírem de casa) e as dinâmicas de conjugalidade homossexual. Ela achou por bem eu fazer o segundo por estava desejosa de perceber o que se passava numa relação conjugal que não era orientada pelas determinações sociais do género. 

Meti mãos à obra de forma ambiciosa. Queria lésbicas e homossexuais. Ao fim de meses percebi que as lésbicas viviam numa espécie de bunker escondidas e que tinham medo de qualquer tipo de exposição. Não consegui nem uma entrevista. Fiquei reduzido aos homossexuais masculinos, o que mesmo assim não se revelou fácil. Seria mais fácil se eu dissesse que era gay também, mas eu só era assumido para heterossexuais e para a família (já tinha namorado, mas continuava 3/4 amigos gay e a não querer que mais gays soubessem que eu era gay). 

Numa das entrevistas que me foi conseguida por uma amiga, fui entrevistar um senhor muito simpático à Baixa. Nessa altura o meu conhecimento de Lisboa resumia-se ao Bairro Alto, Universidade e as Docas. Depois de uma hora e tal de conversa e uma excelente entrevista, eu disse-lhe que também gostaria de entrevistar o companheiro dele. Ele respondeu-me que isso não ia ser possível porque o companheiro estava no Alto de São João. E eu continuei «não faz mal eu posso esperar, não tem de ser já. Quando é que ele volta?». Ele olhou-me de forma esquisita, a minha amiga mudou de cor para um vermelho tomate. Eu sem perceber nada e de repente a minha amiga diz-me que o Alto de São João é um cemitério. Aí fui eu que mudei de cor, tive aqueles 3 segundos que parecem uma eternidade, mas ele não se chateou porque percebeu pelo meu ar aflito que foi mesmo desconhecimento da minha parte.