quinta-feira, agosto 22, 2019

Pobre Brasil

Acho o Brasil um grande país. O potencial é imenso e tinha tudo para ser uma potencia mundial, não fosse o povo brasileiro que sofre do mesmo que quase todos os povos de países que foram colonizados por Europeus. Após o abandono do colonizador, o povo é deixado à mercê de si mesmo sem uma estrutura forte de cultura ou capacidade de gestão. Para piorar, em países tão ricos em recursos como o Brasil, a luta pelos benefícios provenientes desses recursos é enorme e sempre acesa. As grandes potências económicas tentando recolher o máximo do Brasil, sem grande oposição, historicamente têm apoia«ado para lugares de governação pessoas burras ou corruptas.

Não ajuda em nada que desde a inependência do colonizador, o povo tenha sido mantido "embrutecido" de forma a que quem está no poder possa melhor controlar os destinos da nação. Em tempos de democracia temos um povo pouco preparado para grandes decisões, mais emocional que racional. 

O Brasil está corrupto até ao osso, à esquerda e à direita, mas nas últimas eleições (à custa de muita desinformação e devido às trapalhadas feitas pelo PT de Lula) foi eleito Jair Bolsonaro, um homem da pior espécie moral, mas também um homem demagógico e pouco preparado para a governação. O que se tem passado desde que tomou posse é grotesco e a associação/admiração a/por um outro Presiente lunático e demagógico (Donald Trump) vai deixar marcas no Brasil e no mundo.

A Amazónia está a ser atacada como nunca e o brasileiro burro não percebe que está a destruir também o equilibrio do mundo ao destruir o maior pulmão terrestre. Bolsonaro continua com a sua demagogia e desinformação e o Brasil a afundar com um sorriso no rosto. 

No início ainda dei algum benefício de dúvida, mas o que parecia apenas um sonho mau, é infelizmente bem real. O meu sentimento para com os votantes de Bolsonaro evoluiu da condescendência para um profundo nojo. Não consigo  tolerar a presença de um. Acho-os criminosos por associação. Também falo com emoção, eu sei. Tento não ser emocional, mas mesmo colando-me à racionalidade, o desprezo por essas pessoas não desaparece. Não sei se um dia alguém vai salvar o Brasil da destruição que o seu próprio povo perpetua. Juro que, neste momento, quando penso no que se passa no Brasil, nos EUA, na Hungria, na Itália, o meu peito aperta-se e tenho vontade de chorar pelo tamanho retrocesso civilizacional. Contudo nos EUA há uma classe de gente que não vai deixar o país implodir, mas o Brasil, o quinto maior país do mundo, essa grande jóia de biodiversidade, está entregue aos bichos. Bichos da pior espécie. 

 



Síndrome de Estocolmo

O filme é no mínimo caricato talvez porque os factos reais que o inspiram são também do mais caricato possível. É um bom filme, mas a certa altura quase parece um filme do Tarantino pela loucura e depois lembramo-nos... «ah, isto aconteceu mesmo». A estética dos anos 70 e o grão/luz em que o filme é executado estão do mais credível. Quem quiser saber como se originou o Síndrome de Estocolmo, só tem de ir ver o filme.

15/20

sexta-feira, julho 26, 2019

As coisas que se aprendem

Tenho uma colega que quando morrer quer ser 'cromada'. Eu sabia que enterram e que cremam os mortos, mas não sabia que também cromavam. Se isto pega moda...

terça-feira, julho 23, 2019

Campeões

Apesar de achar que ia ser uma comédia cheia de clichês, estava ansioso por vê-la. Um treinador famoso de basquetebol (pouco humano) é obrigado a ir treinar uma equipa de basquetebol constituída por pessoas com deficiência e, logicamente, será humanizado no processo. Não há grandes novidades, para lá dos actores serem efectivamente portadores de deficiência e por isso campeões no seu próprio direito. Não é fácil ser actor (e credível) e pior um pouco quando se tem menos armas intelectuais para o fazer, mas aqui vemos que há pessoas que fazem omeletes excelentes com poucos ovos. Se calhar o principal para um actor é sentir, ter emoções e neste filme há em sobra. 

O argumento faz o previsível, mas bem feito, ora de modo muito engraçado, ora de modo muito emocional. É um filme para nos fazer sentir bem. Eu senti-me óptimo.

16/20

quarta-feira, julho 17, 2019

Porque é que uma pessoa tem tanto medo da mudança?

Nestas alturas tento inspirar-me no meu pai que nunca olhava para trás, sempre para a frente e a vida era um exercício constante de construção estivessemos onde estivessemos e com os materiais que se apresentavam. Zero apego ao passado. E ele deu-se bem.

quinta-feira, julho 11, 2019

Coração cheio

Para já está cheio de esperança num possível acontecimento futuro.

segunda-feira, julho 08, 2019

Homem Aranha: Longe de casa

Não sei se não terá sido o pior filme da Marvel que vi. Talvez porque o argumento foi escrito a pensar no público 10-16 anos, ou porque no campeonato dos clichés este filme vai bem destacado. Não faço ideia. Mas é mau.


9/10

Yesterday

Tinha muita expectativa acerca deste filme. O ponto de partida era brilhante e o Danny Boyle já me habituou a algumas obras igualmente brilhantes.  O resultado foi fraco, previsível e pouco emocionante. Personagens baças, argumento falível, desempenhos e direcção desinspirados. 


10/20

A redenção de Miley Cyrus



Miley Cyrus nunca esteve dentro do radar das artistas que considero, não obstante ter gostado bastante dos singles Can't Stop e Wrecking Ball. Nessa altura achei que a imagem dela era absolutamente gratuita e tudo o que fazia em espetáculos e/ou videos, tinha apenas um valor choque de rebeldia sem causa. Ficava desagradado apenas por vê-la. Incomodava-me. Entretanto, após a sua epifania pessoal e o aparecimento de um álbum country e algumas sessões de free Jam, apercebi-me  de que até havia muita música e qualidade dentro dela. Estabilizou acho, organizou-se como pessoa (não sei o casamento teve influência) e volta com um novo registo pop electrónico bem forte. utilizando a sexualidade feminina ao máximo, mas com um propósito. A glorificação da mulher como o seu próprio objecto e experimento. E simplesmente adoro este vídeo onde se reclama a sexualidade para todos os tipos de mulher. Lógico que nas formas artísticas as imagens não são para ser levadas de uma forma literal como sei que irá acontecer. Por exemplo, a letra «I'm nasty, I'm evil» não quer dizer que a mulher é má e maligna, simplesmente é uma ironia ao que os homens pensam de uma mulher abertamente sexual, mas nos seu próprios termos (mais ainda se nos colocarmos culturalmente nos EUA, que tem uma forma de puritanismo diferente da Europa, mais acutilante).Claro que vai ser acusada de estar a fazer isto para vender, etc etc. Como todos os artistas que expressam uma visão política através da sua plataforma, neste caso a música. A própria Taylor Swift está a enfrentar uma rejeição pública por fazer uma vídeo que expressa da sua visão política sobre os direitos dos homossexuais, apelando à assinatura de um documento de igualdade de direitos. Digam o que disseram, gosto de ver pessoas (neste caso mulheres) a lutar abertamente pelos direitos da sua auto-determinação. A Madonna foi percursora, muitas outras se seguirão e muitos outros o têm feito também a respeito de causas terceiras e outros tipos de direitos fundamentais. Palmas.

quinta-feira, julho 04, 2019

Sobre o Karma

O Karma é como o 69. Nós recebemos aquilo que damos.

terça-feira, julho 02, 2019

Aladdin

Demorei a ver o filme porque achei que ia ser outro veículo de promoção do Will Smith que caiu em desgraça nos últimos anos, vá-se lá saber porquê. Não obstante o filme, musical, até tem uma certa cadência interessante e a história não foi mal desenvolvida. O argumento oferece soluções para os momentos mais inverosímeis, não deixando o espectador de ter uma experiência agradável. É um "feel good movie", com um twist fofinho que (em momentos) lhe dá alguma originalidade. 

14/20

quinta-feira, junho 27, 2019

É por isto que a Madonna ainda é relevante como voz artística.



God Control - Madonna

Esta mulher trava muitas batalhas desde 1982. A memória do povo é curta e ninguém se lembra de como era o mundo no início dos anos 80, a América puritana de Reagan ditava o passo a que o mundo se movia. Saída do midwest americano, de uma terra pequena de mentes pequenas, Madonna quis ser alguém porque sentia que não era ninguém. Com fabulosa determinação, observação estética e artística e ética de trabalho (sem dúvida os seus maiores talentos) acabou por ser alguém que parmanece na ribalta há 37 anos. Tinha algo para dizer e disse. Defendeu a auto-objectificação sexual da mulher (por si mesma e não pelos homens), a mulher como dona da sua sexualidade. Deu visibilidade aos gays como elementos válidos da sociedade. Deu visibilidade aos seropositivos como pessoas normais que precisam ainda mais do seu semelhante. Deu visibilidade à cultura negra e latina como expressão de vida e alegria - lutando ao máximo contra a xenofobia. 

Com um calculismo frio, sobube sempre que botões pressionar para fazer passar a sua mensagem. Às vezes colocando-se em posições muito vulneráveis. A polémica andou sempre lado a lado com ela e, infelizmente, tornou-se mais importante para o expectador do que a sua mensagem e a sua música. Poucos foram os que lutaram (no mundo musical) tão afincadamente pelos direitos fundamentais e liberdades individuais (John Lennon, por exemplo). Poucos foram também os que disseram que não se arrependem um milímetro das suas escolhas.

A sua última batalha e a mais cruel é a de ter o direito a não envelhecer graciosamente, de continuar a ser uma força criativa e de fazer aquilo que gosta, de ser original, de ser ela própria - fiel ao que de si imagina. O mundo não perdoa as mulheres, pior um pouco as mulheres que são independentes, poderosas e bem sucedidas, e muito pior as mulheres que são independentes, poderosas e bem sucedidas e ainda têm a ousadia de usar esse poder publicamente e esfregar na "cara" da sociedade, a sua realidade de super empreendedor. 

Ninguém bate numa Mariah Carey, numa Jennifer Lopez, porque aos 50 anos de idade, elas alinham no papel social reservado às mulheres. Não afrontam, não questionam, não discutem. Podem ser sexy e bonitase fazer tratamentos estéticos que não são escrutinadas e avaliadas como a Madonna, que questiona o patriarcado. O poder dos homens sobre as mulheres. 

A Madonna tem sido nos últimos 10 anos o saco de pancada favorito de uma sociedade com vergonha de si mesma, dos homens poderosos que querem manter o seu status quo e, pasme-se, das mulheres, o grupo por quem ela mais luta.

Madonna tem um novo álbum, tem um novo vídeo e com este vídeo mostra porque é que ainda é relevante, porque é que ainda é importante como voz artística. Um dia o mundo vai dar-lhe o reconhecimento devido. Ela nunca quis ser uma virtuosa da voz, quis ser uma voz. E esta voz continua viva por muito que a queiram parar. Como ela mesmo disse em 2016 «as pessoas dizem que sou muito controversa, mas a coisa mais controversa que fiz foi continuar por aqui (...) ainda estou de pé». 

Ela ainda está de pé. E vibra de força e determinação.

terça-feira, junho 25, 2019

No trabalho...

Não há nada como ter respeito aos nossos superiores hierárquicos, reconhecer-lhes capacidade de gestão e de liderança. No meu caso não acontece nenhum dos dois. Depois de anos de trabalho conjunto, as expectativas iniciais (elevadas) foram sendo substituídas por uma profunda desilusão. A ver o que o futuro revela. Não sou nada bom em futurologia, mas será entre a mudança ou entre o acomodar a esta situação. 

terça-feira, junho 18, 2019

Frases que fazem sentido.

"it is being honest
about
my pain
that
makes me invincible."

Nayyirah Waheed

Este ano não houve feira do livro para mim

E ainda bem, talvez assim tenha tempo de colocar em dia as leituras. Todos os anos compro montes de livros que não consigo ler até chegar à edição do ano seguinte. Fiquei a sentir um certo alívio, porque não ter de comprar livros. Parece que tenho sempre de o fazer só porque estão ali à mão de semear com 50% de desconto.  

Cada vez mais...

...ligo menos ao que as pessoas pensam. Voltei de férias e dizem-me «não estás muito moreno». Parece que quem vai para a praia tem de ficar muito moreno, como se isso valide a nossa experiência. A experiência foi minha, o sol que apanhei, os banhos que tomei. E terminam com um «não estava bom tempo». É que nem tenho de justificar que não gosto de ficar muito escuro. E só respondo com hum-hum... Pronto. As pessoas ficam felizes nas suas representações da realidade e eu não tenho trabalho nenhum. 

Tudo é possível

Aproveitando-me do título, tenho a dizer que tudo era possível com este filme. O potencial para um manifesto sobre a subvalorização da terceira idade era enorme. O resultado esteve bem longe disso. É um filme que nos traz simpatia pelo tema, mas muito mal desenvolvido e ficar-se num exercício superficial onde se pretende trazer alguma comédia e pouco mais. Tive pena. 

12/20

X-Men : Fénix Negra

Como já devem ter percebido, sendo os X-MEN os meus heróis favoritos, tive sempre muita dificuldade em lidar com a qualidade dos filmes produzidos sobre eles. A história da Fénix negra é uma das minhas favritas, senão a minha favorita. Ocorre que embora a história do filme não tenha nada a ver com o original, desta vez, pelo menos, vi captada a intensidade drámatica e o conflito associados à mesma. Talvez por isso não tenha vontade de bater neste filme dos X-MEN. Até me senti relativamente em casa.

15/20

Pequenas Mentiras Entre Amigos 2

Segue a mesma linha do primeiro filme enquanto comédia dramática de enganos e desenganos, mas a minha experiência enquanto expectador foi distinta. Não fiquei triste como da outra vez. Aqui já não se trata de se viver aquilo em que se quer acreditar, mas como saber viver com aquilo que é verdadeiramente a nossa realidade. E também tentar perceber o que é essa realidade numa ação continua de tentativa e erro. No segundo filme, a sensação que fica é que no fim vai ficar tudo bem. Que não importa o quê, acabamos por nos encontrar e saber onde pertencemos.

15/20

Rocketman

Gostei bastante deste filme que, bem ao estilo de Elton john, é mais uma fantasia biográfica do que um biopic tradicional. os factos são um pouco adulterados a nível das datas de ocorrência para criar uma narrativa mais coesa ao nível da densidade dramática. O Elton John é uma espécie de Pink, ou seja, um cantor que já vendeu e ganhou mais prémios que os seus contemporâneos, mas que na nossa mente são sempre medianos em termos de mediatismo e popularidade. Vale a pena ver e perceber a dimesnsão que ele teve nos anos 70 e 80.

A nível das actuações seria impossível não falar do brilhantismo de Taron Egerton  que canta, dança, e recria o feeling do Elton John na perfeição. A intenção de vida e emocional do Elton está toda lá. ganhei um novo respeito pelo actor.


17/20

Godzilla - Rei dos Monstros

Mais um daqueles filmes que vou ver por causa do namorado. Não há muito a dizer, nem sei se achei os efeitos especiais muito bons. tenho a dizer simplesmente que mesmo com bons actores se consegue fazer um filme muito vazio e mediano. O argumento é inexistente. 

10/20

terça-feira, maio 28, 2019

Momentos embaraçosos

Eu sou aquele tipo de pessoa que sempre que algo lhe chama a atenção fica a olhar fixamente para o objecto de curiosidade. Hoje na rua ia uma rapariga com calções muito curtos (hot pants) e como era muito branca chamou-me a atenção para uma quantidades de pontos nas pernas, mas como não percebia bem o que era fiquei a olhar muito fixamente. No fim de contas era apenas os pelos (muitos) a crescer, mas ela deu por mim a olhar para ela e pensou que eu a estava a "galar" e olhou-me de volta com um certo olhar vitorioso e a mim só me apetecia dizer-lhe «estava só a ver o que coisas era essa que tinhas nas pernas, não estou com interesse, a sério». Mas segui em frente e acho que lhe fiz o dia. 

segunda-feira, maio 27, 2019

Entrevista de trabalho

Fui a uma entrevista de trabalho e deveria estar muito contente, mas a minha mete oscila entre aquilo que posso ganhar e aquilo que posso perder. Estou completamente indeciso. A ver o que o Universo tem reservado para mim. Espero que o meu bom senso saia vitorioso e consiga fazer uma análise realista dos factos em cima da mesa. 



sexta-feira, maio 17, 2019

Entretanto fiz 45

Era só mesmo para deixar um registo do acontecimento, já foi no dia 10. matematicamente estou com um pé nos 50. Olé!

Coisas que me chateiam mesmo muito

As pessoas são cada vez mais literais. Não há sentido de humor ou ironia que resista a mentes secas. O que foi feito da imaginação? Quando eu era miúdo, talvez por haver pouca informação e meios de informação, grande parte das nossas vidas tinha uma componente de elaboração imaginativa. Hoje há tanta informação, tanto detalhe e as pessoas são brutalmente literais. Uma nuvem é uma nuvem, não necessa´riamente um peixe com um chapéu de chuva ou um cão com asas. Estamos pobres.

Li uma citação muito bonita

“He was swimming in a sea of other people’s expectations. Men had drowned in seas like that.”

Robert Jordan

segunda-feira, maio 13, 2019

Madonna...volta que estás perdoada.

Depois de um primeiro single um bocadinho meh... eis que finalmente vem uma canção onde consigo sentir fado e áfrica actual (sem deixar de piscar o olho ao R&B). Espero que o álbum seja mais «Crave» que «Medellín».


Um dos melhores trocadilhos que já vi


terça-feira, abril 30, 2019

A Pink tem um álbum novo

A Pink que uma espécie de "underdog" do mundo pop tem um álbum novo, Hurts 2B Human, que é um pouco diferente daquilo a que nos tem habituado em ritmo, mas com muito do que nos tem habituado em baladas reflexivas. A Pink tem quase 40 anos e as rádios também estão a começar a deixá-la de lado. As rádios que alimentam os Tops são destinadas ao público dos 15 aos 35. Esquecendo-se que uma pessoa com 50 pode fazer música para esse público. Como provavelmente ninguém vai dar muita atenção ao álbum deixo aqui algumas faixas à laia de "entradas".







Os Portugueses quando querem ser burros são mesmo

Envolvi-me numa discussão sobre um artigo que pretende classificar as cozinhas dos países da União Europeia. Não se porque ainda me dou ao trabalho de tentar comentar uma coisa destas, quando temos uma quantidade de pessoas a dar opiniões sobre coisas que não conhecem. 

Por exemplo, eu já viajei em 35 países (a maioria na Europa) e, por exemplo, visitei 16 vezes a Itália e 11 cidades Italianas. 

Para se perceber o nível da discussão um senhor português comentava que era um ultraje dizer que a comida italiana é pior que a Portuguesa, porque ele esteve em Itália uma vez e a comida não presta, a Portuguesa é a melhor. Eu disse-lhe que viajei muito em Itália e que acho que juntamente com a Portuguesa são as melhores cozinhas da Europa. Ele responde:

"Esse é o seu gosto e somos todos diferentes, eu por exemplo, detesto viajar, só viajo obrigado pelo trabalho e odeio conhecer pessoas novas. Só comi comida italiana uma vez e não gostei"

O nível de conhecimento é altamente profundo. E são fundamentalmente estas as pessoas que fazem comentários online. Cada vez mais as pessoas com algo a dizer de relevante (e com juízo) se excusam de entrar em diálogos estúpidos com gente burra que não está disposta a aprender ou evoluir. Não vale mesmo a pena, sobre o risco de se ser enxovalhado. Eu tenho é de ganhar mais juízo. 


Vingadores: Endgame

Depois de até ter gostado do capítulo anterior, foi com muita excitação que recebi as primeiras imagens do novo e estava motivadíssimo para ver a estreia. Não sei o que se passou. Dei por mim antes do intervalo a desejar que este chegasse e que na segunda parte o filme fosse a algum lado. 

Não percebo o porquê de um filme com 3h quando está cheio de enchimento que poderia ser reduzido, não percebo o assassinato dos pressupostos originais destes heroís quando ainda só existiam em livros de banda desenhada. Foi um desgosto de filme e um aborrecimento. Não percebo porque é que toda a gente está a dizer que é excelente, quando não é. Eu sei que o nível de exigência dos públicos é cada vez mais baixo, mas por favor. 

Não posso dizer que está mal filmado, não posso dizer que os atores não estão a representar bem o que lhes foi dado, mas a história não é interessante e os tempos do filme estão muito aborrecidos.  E parte-se do pressuposto errado, para mim o mais grave, que o ser humano não consegue ultrapassar a perda, quando toda a história demonstra o contrário.

13/20

Shazam

Fui ver o filme porque não havia mais nada a começar a esta hora. Não estava à espera de grande coisa, mas é uma espécie de filme natal fora de época, em que em vez de termos um cãozinho temos um herói que é uma cirnaç, mas nem por isso. 

O filme poderia ser melhor se não apostasse na graça fácil de ter um miúdo em corpo de adulto (como o filme Big de 1988 com oTom Hanks, a representar a dicotomia de modo brutalmente superior). As ideias estão engraçadas, os efeitos especiais estão bem e é tudo em modo fofinho.

13/20


Hellboy

Mais um filme que eu vou ver porque o meu pequeno quer e eu acompanho. Já tinha visto o segundo tomo do franchise e não achei mau. As ideias eram interessantes e era um pouco como ver uma sofisticação de um filme de série B. Este terceiro tomo não carecsenta grande coisa. Os efeitos especiais são melhores, o humor é o mesmo e a história é um bocadinho rebuscada, mão não agride. O filme é absolutamente inócuo. Não aquece nem arrefece (devia aquecer um bocadinho porque se revela a origem do herói, mas não).

13/20